jpc 2 - Usa LdoD-JPC-anot(124)

Coisas de nada, naturaes da vida


L. do D.

Coisas de nada, naturaes da vida, insignificancias do usual e do reles, poeira que sublinha com um traço apagado e grotesco a sordidez e a vileza da minha vida humana.

— o Caixa aberto deante dos olhos cuja vida sonha com todos os orientes; a piada inoffensiva do chefe do escriptorio que offende todo o universo; o avisar o patrão que telephone, que é a amiga, por nome e dona [...] no meio da meditação do periodo mais insexual de uma theoria esthetica e mental.

Todos teem um chefe de escriptorio com a piada sempre inopportuna [?] e a alma fora do universo em seu conjunto. Todos têm um patrão e a amiga do patrão, e a chamada ao telephone no momento sempre improprio em que a tarde admiravel desce e as amantes [...] arriscam falar contra o amigo que está fazendo chi-chi como os outros sabemos.

Mas todos os que sonham, ainda que não sonhem em escriptorios da Baixa, nem deante duma escripta do armazem de fazenda, todos têm um Caixa deante de si — seja a mulher com quem casaram, seja a [...] dum futuro que lhe vem por herança, seja o que fôr logo que positivamente [?] seja.

Depois os amigos, bons rapazes, bons rapazes, tam agradavel estar fallando com elles, almoçar com elles, jantar com elles, e tudo, não sei como, tam sordido, tam reles, tam pequeno, sempre no armazem de fazendas ainda que na rua, sempre deante do livro caixa ainda que no estrangeiro, sempre com o patrão ainda que no infinito.

Todos nós, que sonhamos e pensamos, somos ajudantes e guarda-livros num Armazem de fazendas, ou de outra qualquer fazenda em uma Baixa qualquer. Escripturamos e perdemos; sommamos e passamos; fechamos o balanço e o saldo invisivel é sempre contra nós.

Escrevo sorrindo com as palavras, mas o meu coração está como se se pudesse partir, partir como as coisas que se quebram, em fragmentos, em cacos, em lixo, que o caixote leva num gesto de por cima dos ombros para o carro do eterno [?] de todas as Camaras Municipais.

E tudo espera, aberto e decorado, o Rei que virá, e já chega, que a poeira do cortejo é uma nova nevoa no oriente lento, e as lanças luzem já na distância com uma madrugada sua.



A Viagem na Cabeça

Do meu quarto andar sobre o infinito, no plausivel intimo da tarde que acontece, à janella para o começo das estrellas, meus sonhos vão por accordo de rythmo com distancia exposta para as viagens aos paizes incognitos, ou suppostos ou somente impossiveis.