Escrevo com uma extranha magua


Escrevo com uma extranha magua, servo de umas suffocações intelectuaes, que me vem da perfeição da tarde. Este ceu de azul precioso, desmaiando para tons de cor de rosa pallido sob uma brisa egual e branda, dá-me á consciencia de mim uma vontade de eu gritar. Estou escrevendo, afinal, para fugir e refugir. Evito os ideaes. Esqueço as expressões exactas, e elas abrilham-se-me no acto physico de escrever, como se a mesma penna as produzisse.

Do que pensei, do que só senti, sobrevive, obscura, uma vontade inutil de chorar.


Título: Escrevo com uma extranha magua
Heterónimo: Não atribuído
Número: 263
Página: 261
Data: 24-07-1930 (medium)
Nota: [60A-22v];
Nota: No rosto encontra-se o poema "Brisa Irreal da aurora", datado de 24/7/1930 e publicado na edição crítica de Fernando Pessoa Vol.I, Tomo III. Este poema é do ortónimo Fernando Pessoa. Na coluna direita da folha encontramos um outro fragmento a lápis e algumas linhas soltas a tinta preta: "Não é nada a manhã | É só um tempo | É só uma ☐".
Testemunhos

Edições dos Peritos


Edições Virtuais