Como simples prazer, antes excitação que alegria


Como simples prazer, antes excitação que alegria, antes tristeza que dor. O prazer, para o espírito decadente, serve se enche o vácuo da existência, se evita que ela pese, não como dor senão como tédio, o tédio que tanto pode proceder da alegria que se prolonga como da dor que, sendo pronta, cansa.

Cantar e exprimir o prazer não como um privilégio [...]

Quem tem do prazer um conceito triste e dolente, porque o tenha da beleza que dele é fonte, conceberá o prazer não como alegria — o que fora um conceito — nem como dor — o que fora trágico —, senão que como um bem futuro, como único bem, leve e breve que seja.

E assim, sem querer, será mais trágico do que devera.

Mas será sempre na beleza humana, ou em relação a ela que de preferência empregará seu ser estético. Mas


Título: Como simples prazer, antes excitação que alegria
Heterónimo: Vicente Guedes
Número: 191
Página: 180 - 181
Nota: [15b(2)-22a e 22, ms.];
Nota: Apenas Teresa Sobral Cunha inclui este texto no corpus do "Livro do Desassossego". Texto retirado na edição de 2013.
Testemunhos

Edições dos Peritos


Edições Virtuais