Carta a Alvaro Pinto, 29 de Julho de 1913


Da correspondencia a Alvaro Pinto

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

Como não vieram no ultimo numero de A AGUIA, nem a minha prosa nem os versos do Cobeira e do Côrtes Rodrigues, desejava saber se lá tinham chegado. A minha collaboração iria tarde, provavelmente, mas julguei ter remetido a tempo as outras cousas.
... ... ... ... ... ...

Em todo o caso, penso sempre se desagradará ahi qualquer das trez cousas remettidas. O meu amigo sabe que nada mais estimo do que absoluta franqueza n'estes assumptos. O NA FLORESTA DO ALHEIAMENTO será ultra-excessivo, em materia de requinte, para que achem prudente que a A AGUIA o insira? Diga-m'o francamente.

Sobre as poesias dos outros rapazes, não creio que pudesse haver duvida.
... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

(em 29 de Julho de 1913)


Título: Carta a Alvaro Pinto, 29 de Julho de 1913
Heterónimo: Não atribuído
Número: 0
Página: 40
Data: 29-07-1913
Nota: C-1982 p. XL;
Nota: Na edição de Jacinto do Prado Coelho, Maria Aliete Galhoz transcreve excertos desta carta num conjunto de testemunhos iniciais de Fernando Pessoa sobre o "Livro do Desassossego" (1982: XXXV-XLVII).
Testemunhos

Edições dos Peritos


Edições Virtuais