Receção Crítica - Usa (BNP/E3, 1-68r)

...reles como os fins da vida


L. do D.

...reles como os fins da vida que vivemos, sem que queiramos
nós taes fins.

A maioria, senão a totalidade, dos homens vive(m) uma vida re-
les, reles em todas as suas alegrias, e reles em quasi todas
as suas dores, salvo naquellas que se fundamentam na
morte, porque nessas collabora o Mysterio (porque para ellas
contribue o Mysterio). (e a mesma vida se desmente).

Oiço, coados pela minha desattenção inattenção, os ruidos que sobem rompem,
fluidos lucidos falidos e dispersos, como em ondas interfluentes entrefluentes, e de fóra ao acaso e de fóra, como se
viessem de outro mundo: gritos de vendedores, que vendem o na-
tural, como a hortaliça, ou o social, como as cautellas; riscar troar som longo
redondo cascado de rodas — carroças e carros rapidos, aos saltos —; automoveis,
mais ouvidos no movimento aviso que no gyro; o tal sacudir de qualquer
cousa panno a qualquer janella; o assobio do garoto; a gargalha-
da do andar alto; o gemido metallico do electrico na outra rua;
o que de mixturado emerge do transversal; subidas, baixas, si-
lencios do variado; trovões tropegos do transporte; alguns passos; prin-
cipios, meios, e fins de vozes — e tudo isto existe para mim,
que durmo pensal-o, como uma pedra entre herva, em qualquer modo
espreitando de fóra de logar.

Depois, e ao lado, é de dentro de casa que os sons confluem
com os outros: os passos, os pratos, a vassoira, a cantiga inter-
rompida — ( meio fado se é fado? ) —; a vespera na combinação da saccada; a irrita-
ção do que falta na mesa; o pedido dos cigarros que ficaram em
cima da commoda — tudo isto a realidade, a realidade anaphrodi-
siaca que não entra na minha imaginação.

Leves os passos da creada ajudante, chinellos que revisiono
de trança encarnada e preta, e, se assim os visiono, o som toma
qualquer coisa da de trança encarnada e preta; seguros, firmes, os
passos de bota do filho de casa que sahe e se despede alto, com
o bater da porta cortando o echo do logo que vem depois do até; um socego,
como se o mundo acabasse neste quarto andar alto; ruido de loiça
que vae para se lavar; correr de agua; "então não te disse que"...
e o silencio apita do rio.

Mas eu modorro, digestivo e imaginador. Tenho tempo,
entre cenesthesias. E é prodigioso pensar que eu não quereria,
se agora perguntassem e eu respondesse, melhor breve vida que es-
tes lentos longos minutos, esta nullidade do pensamento, da emoção, da acção,
quasi da mesma sensação, o occaso-nato da vontade dispersa. E
então reflicto, quasi sem pensamento, que a maioria, senão a
totalidade, dos homens, assim vive, mais alto ou mais baixo,
parados ou a andar, mas com a mesma modorra para os fins ulti-
mos, o mesmo abandono dos propositos formados, a mesma diluição consciencia sensação da vida.
Sempre que vejo um gato ao sol lembra-me a humanidade lembro-me sempre do homem ao sol.
Sempre que vejo dormir lembro-me que tudo é somno. Sempre que
alguem me diz que sonhou, penso se pensa que nunca fez senão
sonhar. O ruido da rua cresce, como se uma porta se abrisse,
e tocam trila o som da trintina a campainha.

O que foi era nada, porque a porta se fechou
logo. Os passos cessam no fim do
corredor. Os pratos lavados
erguem a voz
de agua e louça. O ar freme?
O camião passa estremecendo os fundos, e como tudo acaba, ergo-me de pensar.