Estatuas ☐, alheias


Estatuas ☐, alheias pelo sonho ao natural da humanidade — a nossa obra só gosa — hallucinações.

O bem que produzimos, produzimol-o por sabermos que faziamos sonhar ☐

Estatuas de neve, que puras e brancas que sois! Mas só existis emquanto o sol não chega.


Título: Estatuas ☐, alheias
Heterónimo: Não atribuído
Número: 551
Página: 502
Nota: [94-12r];
Nota: Jerónimo Pizarro edita este texto em apêndice, no conjunto "Textos sem destinação certa inventariados fora do núcleo" (2010: 490-516).
Testemunhos

Edições dos Peritos